Deus está sempre presente, será que conseguimos percebê-lo?

Rev. Dr. J.C Pezini 

“Estou decidido na tua procura: não permitas que eu passe sem ver as placas que puseste no caminho”. Sl.119:9,10 

Não há dúvidas quo livro mais lido dos últimos quatro séculos é a Bíblia. Surpreendentemente, o que muitas pessoas acreditam ser o segundo livro mais lido foi escrito por um cozinheiro, lavador de pratos. Seu nome era Nicholas Herman. Ele era um veterano francês da Guerra dos Trinta Anos (1618-1648). Herman retornou a Paris cuidando de ferimentos físicos e anseios espirituais profundos. 

Ele encontrou o caminho para um mosteiro carmelita, onde esperava poder seguir uma vocação religiosa. Por não ter educação suficiente para se tornar padre, contentou-se em assumir o papel de irmão leigo. Isso significava que ele provavelmente passaria o resto de sua vida desempenhando tarefas domésticas, fora da vista dos demais. Seu coração estava inquieto. Ele estava fazendo as coisas certas? Ele estava indo na direção certa? Ele teve a aprovação de Deus? 

Tudo isso começou a mudar um dia enquanto ele ponderava sobre a vida de uma árvore em particular. Nicholas notou, como se pela primeira vez, que a árvore não era saudável “por conta própria”. Sua força e nutrição vinham do solo profundo em que estava enraizada. Ele decidiu analisar suas circunstâncias de uma nova maneira. Sua vida se tornaria um experimento – uma oportunidade contínua de extrair nutrição espiritual da presença de Deus, que sempre esteve ao seu redor e sempre disponível, não importando o que ele estivesse fazendo. 

Sua vida se tornaria “uma conversa habitual, silenciosa e secreta da alma com Deus”. Isso mudou tudo. Nicolau levou o nome religioso “Lawrence da ressurreição”. Outros o chamavam simplesmente irmão Lawrence. Ele nunca se tornou bispo, cardeal ou papa. Ele nunca conseguiu o escritório da esquina com as duas janelas voltadas para diferentes direções e o título elevado na porta. Na verdade, ele raramente saía da cozinha. Ele se chamava de Lorde de Todos os Vasos e Panelas. 

Ele disse: “O tempo que gasto com o trabalho não difere do tempo de oração; é no ruído e barulho de minha cozinha, onde várias pessoas, ao mesmo tempo estão me chamando por coisas diferentes, que eu curto a presença de Deus com grande tranquilidade quanto se eu estivesse de joelhos diante do Santíssimo Sacramento”. A cozinha, em outras palavras, tornou-se seu santuário. 

Outros ficaram admirados com a maneira como ele vivia. Depois de sua morte em relativa obscuridade em 1691, seus irmãos monásticos coletaram suas correspondências particulares, bem como o que eles lembravam de suas conversas, e publicaram-nas como um livrinho chamado A Praticar da Presença de Deus. Tornou-se um best-seller e permaneceu assim desde então. 

O que Nicholas Herman, o irmão Lawrence, descobriu? Ele havia experimentado pessoalmente a espiritualidade das tarefas cotidianas. Se ele conseguiu, nós também podemos. Cada local pode se tornar um “santuário portátil”. Sempre que ligamos o computador, e compramos o jantar em um supermercado lotado, ou mergulhamos nossas mãos em uma pia cheia de pratos com sabão, podemos saber que estamos em pé no chão sagrado. Porque Deus está ali. E Deus é sempre acessível. 

“Não devemos nos cansar de fazer todas as coisas pequenas ou grandes por amor de Deus, que não considera a grandeza do trabalho, mas o amor com o qual é realizado”, disse o irmão Lawrence. O seu dia está cheio de uma coisinha atrás da outra? Experimente esta experiência: Faça-os todos por amor de Deus e veja como a vida muda. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas HTML tags e atributos:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>