Você acredita que o Evangelho pode transformar vidas?

Rev. Dr. José Carlos Pezini 

Você acredita? Você realmente acredita que o Evangelho possa mudar a vida das pessoas? Essa foi a pergunta do meu mentor em uma reunião de mentoria enquanto revelava as 
minhas preocupações. 

Parece uma questão de fácil resolução, de resposta convicta e imediata. No entanto, tais palavras abriram um hiato em minha mente e, em fração de segundos, racharam o meu coração, transformando esse ínfimo tempo no que parecia a eternidade, um espaço longo e interminável. 

Enquanto minha mente impulsiva dizia sim… sim… sim… O meu coração sincero trazia à tona toda a falsa piedade que me treinara para confiar mais em mim mesmo, nos meus recursos e habilidades, em uma capacidade meramente humana, do que em Deus. Sim… em fração de segundos percebi que o Evangelho estava no papel e, eu, estava no controle da minha vida. Deus era apenas o meu parceiro, meu co-piloto. Eu era o comandante. 

Então, quando as coisas davam certas era porque Ele tinha me AJUDADO. E, quando davam erradas, certamente, Ele não tinha me orientado direito. O comando nunca era dele. Ele nunca levou o crédito sozinho, apenas os dividendos. E, é claro, quando as coisas saíam do controle, a culpa nunca foi só minha. Logo, acreditar que o Evangelho tem poder para transformar as pessoas significava o mesmo que dizer que EU tinha feito um bom trabalho. Por isso, a pergunta parecia tão difícil de responder. 

Porém, a mudança já tinha começado, a estrada sem retorno, a caminhada rumo à cruz que todo cristão deveria fazer, dia após dia. Não falo da salvação da morte e do pecado, mas, do fato de ser salvo de mim mesmo todos os dias. 

Quando Deus deixa de ser apenas o fundamento para meras afirmações teológicas, o Cristo sai do crucifixo, o Evangelho torna-se animado e a vida cristã sai do papel, a única possibilidade que se tem é ver o Evangelho realmente transformando vidas. E, isso, não é algo que se diz, mas que se experimenta. 

Então… Sim… A resposta ao meu mentor foi sim. No entanto, novas perguntas surgem a cada dia e minhas questões são respondidas diariamente enquanto eu caminho com o Eterno em uma longa estrada na mesma direção. Pois, na vida com Deus, nada como um dia após o outro para nos ensinar a negarmos a nós mesmo, tomar a nossa cruz e simplesmente prosseguir. 

Ele não me ofereceu uma casa, um carro ou sapatos confortáveis, mas, sim, uma boa conversa e um ombro amigo. 

Razões para participar de uma célula

Lourival Pupo 

Em meados dos anos 2000, a igreja na qual era membro começou a desenvolver um trabalho com células. Tudo aquilo que é novo causa duas reações, a primeira é um sentimento de perda, e isso tem haver com a nosso desejo de que as coisas estejam de acordo com a nossa vontade. Uma segunda reação é de que algo novo estava para acontecer e isso era muito bom. Confesso que a principio, eu estava inclinado para a primeira reação. Desde então, nossa comunidade tem participado de células. Algumas denominações têm aversão ao nome célula, por causa de alguns desvios e exageros. Creio que isso seja normal.  Bom, essa reação ao nome tem levado algumas igrejas a chamar por outros nomes aquilo que na prática funciona da mesma forma. Antes falar sobre o porque participar de uma célula, me permita dizer algumas razões pelas quais algumas 
pessoas não tem participado. 

1. É um lugar de fofoca. Realmente, se o grupo não estiver alinhado no propósito para o qual foi chamado, ele pode se desviar por caminhos diferentes dos quais foi criado para ser. 

2. Eu tenho vergonha de falar. Eu já ouvi muito sobre isso, na realidade, muitas pessoas não desejam colocar pra fora (ter um momento de catarse) algumas coisas que já deveriam ter saído de suas vidas. 

3. Eu prefiro um grupo grande. Quando alguém me fala algo assim, eu penso que essa pessoa deseja ficar no anonimato, sem relacionamentos com as pessoas, e isso é geralmente ruim. 

4. Eu prefiro ter um tempo com minha família. Essa pessoa ainda não compreendeu que a sua relação familiar é um tipo de célula e que a vivência em pequeno grupo fará muito bem a sua família. Na realidade, nossos filhos enxergam aquilo que priorizamos em nossa vida. Se nos dedicarmos a termos tempo com Deus por meio das células, eles verão que isso é importante. 

Depois de falar um pouco sobre algumas desculpas, passo a apresentar algumas razões do porque participar de uma célula. 

1. Tempo com Deus. Vivemos dias tão corridos, somos movidos pelo relógio, o tempo parece não ser suficiente para tudo o que precisamos fazer. Diante de uma realidade tão cruel, é fundamental um tempo de parada para ouvir Deus. E, Creio que a célula seja esse lugar de parada. Alguns podem dizer que tem seu tempo de devoção em casa, entretanto, o que tenho observado é que, isso é mais uma desculpa. Na célula louvamos a Deus, oramos, lemos a Palavra e aplicamos a nossa vida, somos desafiados a cumprir o chamado missional em nossas vidas, dentre outras coisas. 

2. Tempo com irmãos na fé. Se a nossa parada para um tempo com deus já difícil, imaginas para com os nossos irmãos na fé. Na célula, podemos pastorear uns aos outros, o irmão que está ao meu lado é usado por Deus tanto quanto eu. O encontro da célula torna-se um momento no qual vivenciamos a Koinonia, que numa tradução livre significa experimentar a vida juntos, ou seja, é compartilhar um tempo, que é precioso, de minha vida com o outro, com isso, deixamos um pouco de nosso egoísmo, e podemos viver aquilo que Jesus viveu e nos ensina, pois ele viveu assim com os discípulos. 

3. Exercícios dos dons. Se existe algo que nos leva ao amadurecimento em nossa fé, é quando usamos nossos dons. Cada pessoa tem o seu dom. E isso é evidente nas listas de dons contidas no Novo Testamento. O ponto em questão é que muitas pessoas nem sabem qual é o seu dom. Sendo assim, a célula se torn um instrumento para descoberta e uso ao mesmo tempo. Alguns se veem como um conselheiro, outro como intercessor, ainda mais um como um músico ou alguém que conduz o louvor. As possibilidades são infinitas. 

4. Cura para o nosso interior. Minha última razão está relacionada com as nossas mazelas interiores. A grande maioria das pessoas tem dificuldades, problemas que escondem e não com quem compartilhar. Na célula, quando vivenciamos de forma correta, torna-se um ambiente saudável, onde as pessoas tem liberdade para abrir o coração, e assim, serem curadas. Quando falamos, e deixamos aquilo que nos afligi estamos a um passo da cura. 

Creio que existam outras razões para ir a uma célula, mas por enquanto essas são oportunas. Quando estou escrevendo, penso na realidade da igreja que faço parte, talvez, isso não adequa-se à sua realidade. Abraço fraterno. 

A dor desconhecida

Karl Vater 
Pastor da Cornerstone Christian Fellowship in Fountain Valley, California 

A dor de um pastor é intensificada debaixo de impiedosos holofotes, enquanto a dor de outro é desconhecida. Ambas doem igualmente. Há uma epidemia, outro pastor que se esgota. 

Não fica mais fácil. Não importa quantas vezes você ouça sobre isso. E estamos ouvindo muito sobre isso ultimamente. Em números epidêmicos. 

Esgotamento 

Outro pastor anunciou à sua chocada congregação que ele não podia mais. Ele os amava. Ele estava orgulhoso do trabalho do Reino que haviam feito juntos por anos. Mas suas prioridades estavam desajustadas. Ele havia posto todo seu tempo e energia na igreja e havia negligenciado sua própria saúde espiritual e emocional. Ele pediu à congregação que orasse por ele e sua família enquanto enfrentavam a próxima fase difícil de suas vidas – sem saber o que esta fase traria. 

Então ele reuniu a congregação de 20 pessoas na frente da igreja para orarem juntos uma última vez. Ele por eles. Eles por ele e sua família. Oraram, abraçaram, choraram e disseram adeus. 

Enquanto escrevo esse artigo, aquele pastor está encaixotando seus pertences numa van para se mudar da pequena cidade que eles chamaram de lar por mais de uma década. Por agora, eles vão viver com os pais da esposa para se recuperarem. 

Não é o único 

Infelizmente, aquele pastor não foi o único a ter uma história dessas. Aconteceu com centenas. Este ano, milhares vão deixar o ministério, esgotados e machucados. De igrejas grandes e pequenas, em crescimento e estagnadas. 

Ouvimos quando os pastores famosos desistem ou se esgotam. É o preço da fama. E é muito alto. Tanto o sucesso quanto as falhas são ampliadas. Mas um preço diferente é pago por aqueles que não são conhecidos fora de suas famílias em pequenas congregações. 

Esquecidos… 

Enquanto os sucessos e dores de pastores conhecidos são destacados, os sucessos e dores de pastores de igrejas pequenas são ignorados e esquecidos. Ambos são igualmente machucados. Ambos carregam o peso dos problemas que os levaram a deixar a igreja, e frequentemente o ministério. A dor do pastor da mega igreja é intensificada por falhar debaixo das luzes da ribalta, enquanto que a dor do outro é aumentada por cair no anonimato. Esquecido por quase todos. Ambos os cenários são tóxicos. 

Eles entristecem o coração de Jesus, prejudicam Sua igreja, devastam com as famílias dos pastores, arruínam ministérios e tornam difícil aos membros da igreja confiar num pastor novamente – ou confiar em Deus novamente.  

Não precisa ser desse jeito. Não deveria ser desse jeito. 

Precisamos fazer alguma coisa 

Precisamos abandonar as expectativas não bíblicas que foram colocadas nos ombros dos pastores. Ou que nós próprios colocamos nos nossos ombros. 

Pastores nunca foram destinados a carregar esse fardo tão grande. Nenhuma pessoa é capaz de ser pregador, professor, “lançador de visão”, CEO, líder, evangelista, ganhador de almas, angariador de recursos, conselheiro matrimonial, e todo esse modelo de virtude que esperamos que os pastores sejam – muitos deles enquanto trabalham a tempo inteiro fora das paredes da igreja. 

Mas tem sido assim por tantos anos que às vezes parece uma locomotiva sem freio que não pode ser parada. Precisa ser parada. 

Dizer “não” 

Ninguém pode parar essa locomotiva a não ser nós, pastores. Precisamos dizer “não”. Para alguns de nós, isso significa dizer não às expectativas irracionais dos nossos membros, diáconos e oficiais da denominação. Mas para todos nós significa dizer não às nossas próprias expectativas não bíblicas. Dizer não a um paradigma que nós construímos e perpetuamos em volta de uma combinação dos nossos egos e inseguranças. 

Nós não somos os construtores da igreja, Jesus é. Não somos capazes de nos matarmos de trabalhar emocionalmente e espiritualmente sem que alguma coisa quebre dentro de nós. 

Não podemos continuar nos forçando fisicamente com poucas horas de sono, muita comida e pouca atividade física. 

Não podemos continuar negligenciando nossas esposas e famílias enquanto queimamos a vela dos dois lados e não esperar que todo mundo – nossas famílias, igrejas e nós mesmos – pague um enorme preço por isso. 

Ministério 

Precisamos redefinir com que o sucesso ministerial se parece, porque muitas pessoas boas estão sendo machucadas enquanto perseguimos nossa atual e insuportável versão de sucesso. 

Faça uma pausa hoje. Respire. E ore. 

Oração 

Ore pelos pastores feridos, conhecidos e desconhecidos, que deixaram uma igreja que eles amavam – e talvez ainda amem. 

Ore pelos pastores famosos sofrendo debaixo da insuportável luz da ribalta. 

Ore pelos pastores desconhecidos que se sentem perdidos e esquecidos. 

Ore pelas famílias que suportaram anos de dor em silêncio, e que agora têm suportado ainda mais. 

Ore pelos membros da igreja que não sabem se se sentem bravos, tristes ou outra coisa. 

Ore para que o Deus que prometeu que Seu jugo era suave e o seu fardo leve, alivie os fardos mais pesados que nós colocamos sobre nossos próprios ombros. E que troque por Sua paz, Seu conforto e Sua esperança.”